Atendimentos_da_Saude_Itinerante_em_2022_Arquivo_Ascom_Sesau__2_.jpeg

Por meio da Saúde Itinerante, iniciativa do Governo de Roraima, a Sesau (Secretaria de Saúde) tem levado serviços de saúde para todos os municípios do Estado, não importando a distância ou dificuldades de acesso.

Ao longo de 172 ações realizadas em 2022, o Governo conseguiu realizar um total de 33.718 atendimentos. Só na capital do Estado, foram 15.888 pessoas atendidas.

“O Governo fez um planejamento minucioso para atender às demandas da população de forma que a saúde chegue ao público do interior com qualidade e os pacientes não precisem se deslocar para a capital em casos mais simples”, declarou o governador Antonio Denarium sobre o projeto executado pela Sesau.

“O ano de 2022 foi ótimo para a Saúde Itinerante. Atendemos de forma contínua, dinâmica e com qualidade mais de 30 mil pessoas, levando atendimentos cardiologista, oftalmologista, dermatologista, urologista, ortopedista, clínico pediatra e otorrino”, destacou a secretária Cecília Lorenzon.

Dentre as pessoas beneficiadas, está a aposentada Doracélia da Silva Madeira, de 58 anos. Ela aproveitou uma das ações realizadas em Boa Vista para se consultar com o oftalmologista e saiu satisfeita com o atendimento que recebeu.

 

“Procurei a Saúde Itinerante em uma das ações do Governo Sem Parar, que aconteceu próximo do meu bairro, o Alvorada. Fui atendida pelo oftalmologista e por um ginecologista, o atendimento foi ótimo e até hoje eu continuo com o tratamento que o gineco me passou”, disse.

Além da capital, os municípios do interior também foram assistidos em diversas ações realizadas pela Saúde Itinerante ao longo de 2022.

Caracaraí recebe atendimento de otorrino após 14 anos

Em novembro, por exemplo, Caracaraí recebeu pela primeira vez uma caravana de especialistas da área de otorrino, uma especialidade que não era ofertada aos moradores há 14 anos. A ação aconteceu no Hospital Irmã Aquilina, atendendo cerca de 50 pessoas.

A diretora da unidade, Antônia Melo, ressalta a importância da ação para o município. “O Dr. Luiz Serrano [otorrino] fez o atendimento de pacientes aqui na unidade e realizou também alguns procedimentos. E a população tem ficado cada dia mais satisfeita com isso”, frisou.

Atendimentos_da_Saude_Itinerante_em_2022_Arquivo_Ascom_Sesau__1___1_.jpeg

Outros 905 atendimentos médicos foram contabilizados durante uma das edições do Governo Sem Parar que foi realizada em Caracaraí. Dentre as várias pessoas beneficiadas está a moradora do município, Eliane Costa, de 40 anos.

Ela contou que na ocasião levou suas filhas para serem consultadas e que todas foram bem atendidas pelos profissionais que atuaram na ação.

“Eu nunca tinha visto atendimentos com essas especialidades para a população no município. Eu como agente comunitária de saúde, vejo de perto a situação das pessoas que não tem a condição de ficar indo para Boa Vista [se consultar com um especialista]”, salientou.

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Suyanne Sá

FOTOGRAFIA: Ascom/Sesau

Fachada_HGR_Secom_Roraima__1_.jpeg

O Governo de Roraima, por meio da Sesau (Secretaria de Saúde), entregou na última sexta-feira, 30 de dezembro, a nova sala do necrotério do HGR (Hospital Geral de Roraima Rubens de Souza Bento). A estrutura não passava por reformas há quase 30 anos.

“O necrotério do HGR foi revitalizado para dar um conforto maior para as famílias que passam por um momento difícil e de tristeza, de forma que sejam atendidas de maneira acolhedora e com qualidade”, afirmou a diretora geral da unidade, Patrícia Renovato.

Revitalizacao_da_Sala_de_Necroterio_do_HGR__1_.jpeg

O coordenador de Recepção e Monitoramento do HGR, Reilã Rodrigues, informou que a obra foi iniciada em julho de 2022, sendo dividida em três partes. Além da ampliação, todo o local recebeu tratamento de revitalização.

“A parte elétrica foi trocada, além do forro, telhado e piso, que agora é de porcelanato para facilitar a limpeza do lugar”, ressaltou.

Ainda segundo Rodrigues, com a diminuição dos casos de morte por covid-19, a parte de isolamento foi fechada, permitindo assim a ampliação da sala de acesso e melhorando o fluxo de despacho de corpos para as funerárias.

“[A mudança] vai melhorar o fluxo, porque antes tínhamos uma rotina muito apertada para liberação dos corpos, justamente pela estrutura ser muito pequena”, completou.

O acesso ao necrotério é permitido somente aos servidores do HGR e agentes das funerárias contratadas pelos familiares, não sendo permitida a visitação por terceiros.

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Suyanne Sá

FOTOGRAFIA: Ascom/Sesau

HEMOFILIA - Mais de 40 pacientes fazem tratamento contra a doença no Hemoraima

Fachada_Hemoraima_Ascom_Sesau__2___2_.jpeg

Nesta quarta-feira, 4, é celebrado o Dia da Pessoa com Hemofilia. Além de conscientizar a população sobre a importância dos cuidados com o paciente que sofre com a doença, a data foi escolhida como forma de homenagear o cartunista Henrique de Souza Filho, o Henfil, falecido no ano de 1988.

Em Roraima, segundo dados do Hemoraima (Centro de Hemoterapia e Hematologia de Roraima), 46 pacientes fazem tratamento de hemofilia. A unidade é a principal referência do estado no tratamento de doenças relacionadas ao sangue.

“Nós temos desde o pediatra, o hematopediatra, o especialista em clínica médica e o hematologista para adultos, além de uma equipe de enfermagem preparada para essa assistência e aplicação dos fatores”, destacou a médica hematologista, Regina Rebouças.

O ambulatório de hematologia da unidade dispõe de serviço multidisciplinar para todos os pacientes hemofílicos do Estado, tanto crianças como adultos, com atendimento médico, enfermagem, psicólogo, fisioterapeuta, nutricionista e serviço social.

O estudante Askemaque Alves, 22, é um desses pacientes. Ele foi diagnosticado com hemofilia ainda criança, após um acidente simples. Desde então, passou a receber tratamento para a doença, a fim de melhorar sua qualidade de vida.

“Depois de uma picada de abelha que eu recebi na minha testa, criou um hematoma. Fui ao hospital e o médico achou estranho e passou alguns exames, que constataram que eu tinha a hemofilia tipo A, que é a mais simples”, relatou.

O tratamento do jovem consiste basicamente no recebimento do Fator VIII, um tipo de proteína essencial para a coagulação do sangue, durante três vezes na semana. Essas aplicações podem ocorrer em casa, seguindo sempre as orientações da hematologista.

“Viver com a hemofilia tem suas dificuldades. Como não pode se exercitar muito nem praticar esportes, tenho algumas limitações físicas que me impedem até de fazer as atividades mais simples, como pedalar”, comentou o paciente.

O QUE É?

A hemofilia é uma doença genética ligada ao cromossomo X, que afeta a coagulação do sangue. O paciente com essa condição possui sangramentos que demoram a ser controlados.

Considerada uma doença rara, ela possui duas variações: o tipo A, que está ligado ao Fator VIII, e o tipo B ligado ao Fator IX de coagulação.

“A hemofilia é uma doença genética ligada ao cromossomo X, ou seja, a mãe passa para o filho, e na maioria dos casos acontecem de os homens desenvolverem a doença, que pode ser hemofilia tipo A ou B”, explicou Regina.

A hematologista destaca ainda que o acompanhamento regular para monitoramento clínico e laboratorial é fundamental para evitar complicações da doença, além de promover melhoria na qualidade de vida dos pacientes.

Ela lembra também que estes pacientes apresentam sangramentos que demoram muito mais tempo para serem controlados, pois o organismo não tem condições de produzir adequadamente o coágulo, que é responsável por estancar o sangramento.

“Esses pacientes sangram muito desde bebês, então você já pode observar no joelhinho e cotovelos quando eles começam a engatinhar, que ficam muito roxos e às vezes são sangramentos intensos”, completou.

O TRATAMENTO

Regina explicou que o tratamento é baseado por meio do uso de hemoderivados (produto industrializado provenientes do plasma humano de doadores de sangue), que são fornecidos de forma gratuita pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

“O tratamento é um só, que é repor esses fatores. Nós os temos disponíveis e os chamamos de hemoderivados, que são produtos industrializados preparados com o plasma do doador de sangue”, ressaltou.

Para marcar uma consulta, é preciso ter um encaminhamento de outro médico, além de apresentar o CPF e cartão do SUS. Após isso, o paciente passará por triagem e investigação.

A clínica hematológica do Hemoraima funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 12h e de 13h30 às 18h, na Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, próximo ao HGR (Hospital Geral de Roraima Rubens de Souza Bento).

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Suyanne Sá

FOTOGRAFIA: Ascom/Sesau

JANEIRO BRANCO - Coronel Mota realiza panfletagem sobre importância da saúde mental

Campanha_Janeiro_Branco_no_Coronel_Mota_Suyanne_Sa_Ascom_Sesau__2_.jpeg

A Sesau (Secretaria de Saúde), por meio da CMECM (Clínica Médica Especializada Coronel Mota), deu início nesta terça-feira, 3, à programação alusiva ao Janeiro Branco, mês de incentivo às políticas de cuidados com a saúde mental.

A ação que abriu a campanha em Roraima consistiu na entrega de panfletos com mensagens de otimismo para o novo ano que se inicia. Este é o terceiro ano consecutivo em que a unidade realiza ações voltadas à temática.

Campanha_Janeiro_Branco_no_Coronel_Mota_Suyanne_Sa_Ascom_Sesau__4___1_.jpeg

“A saúde mental das pessoas é muito importante. Ultimamente temos nos preocupado apenas com o corpo, mas a mente também deve estar bem, porque se um estiver bem e o outro não, não vivemos nem produzimos”, afirmou o clínico-geral responsável pelo serviço de psiquiatria do Coronel Mota, Gustavo Ubirajara Marques.

A campanha deste ano tem como tema “Quem Cuida da Mente Cuida da Vida”. Segundo o médico, as constantes alterações no humor, perda de sono e de apetite são alguns indícios que a saúde mental precisa de maior atenção. 

“Sintomas que podem sugerir a necessidade de um tratamento para a saúde mental, por exemplo, é a pessoa acordar cansada, achar que não dormiu bem, ou o estado de ânimo persistentemente depressivo, diminuição da paciência, comer muito ou quase nada”, explicou.

Marques ressalta ainda que, além de cuidar da mente, é preciso também melhorar os hábitos para o corpo.

“Temos que evitar ficar doente, tratando bem o corpo e mente, dietas saudáveis, tomando água e fazendo atividade física, é uma coisa que o ser humano não tem feito”, completou

A dona de casa Raimunda de Souza, 74, é acompanhante da neta, que recebe consultas na unidade. Ela parabenizou a ação organizada pelos servidores e citou alguns benefícios de cuidar da saúde mental.

Campanha_Janeiro_Branco_no_Coronel_Mota_Suyanne_Sa_Ascom_Sesau__5_.jpeg

“É muito bonita a ação, pois precisamos realmente de cuidados, carinho e apoio para cuidar da mente. Eu me cuido e também cuido da minha neta, que é acompanhada aqui, e isso tem ajudado nos estudos e no dia a dia dela”, destacou.

VALORIZANDO A SAÚDE

De acordo com o setor de psiquiatria do Coronel Mota, média mensal de atendimentos da especialidade em 2022 foi de 1.258 consultas, enquanto a de psicologia foi de 385 atendimentos.

Atualmente a unidade conta com cinco psiquiatras e 11 psicólogos, com os atendimentos sendo realizados de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h.

Segundo a responsável pelo setor de psiquiatria do Coronel Mota, Suely do Nascimento, o atendimento ambulatorial da unidade é feito somente com pacientes estáveis e a partir dos 13 anos.

“Os pacientes que podem e devem procurar a unidade para fazer esse atendimento, são os encaminhados da UBS (Unidade Básica de Saúde), aqueles que dão entrada no HGR ou Cosme e Silva, mas não são pacientes crônicos [com histórico de casos]”, frisou.

Vale lembrar ainda que a marcação de consultas é feita no primeiro dia útil do mês, ou enquanto houver vagas. A recepção está aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h. A unidade está localizada na Rua Coronel Pinto, nº 636, Centro.

VEJA A PROGRAMAÇÃO

18/01 – Piquenique com pacientes convidados e profissionais da saúde

Local: Praça do Mirandinha (Rua da Tangerineira, bairro Caçari)

Horário: A partir das 8h30;

27/01 – Intervalos de 10 minutos, com passeios de bicicleta com pacientes e colaboradores

Local: Estacionamento do Coronel Mota (Rua Coronel Pinto, nº 636, Centro)

Horário: A partir das 8h30;

31/01 – Encerramento da programação com lanche e dinâmicas entre os colaboradores da unidade

Local: Estacionamento do Coronel Mota (Rua Coronel Pinto, nº 636, Centro)

Horário: A partir das 14h30.

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Suyanne Sá

FOTOGRAFIA: Ascom/Sesau

CORRENTE DO BEM - Hemoraima recebeu mais de 15 mil doações de sangue em 2022

Doacao_de_Sangue_Arquivo_Ascom_Sesau__1_.jpeg

Doar sangue é um gesto de extrema generosidade e capaz de salvar várias vidas. No Estado, o Hemoraima (Centro de Hemoterapia e Hematologia de Roraima) recebeu um total de 15.181 doações de sangue durante o ano de 2022.

Os dados levam em consideração o número de campanhas realizadas pela unidade, a convocação de doadores voluntários e a presença de doadores de reposição.

Apesar de ser um quantitativo satisfatório, a demanda por bolsas de sangue tem aumentado bastante nos últimos meses, conforme ressalta a assistente social do setor de captação, Hellen Bessa.

“Tivemos mais de 15 mil doações, número um pouco maior que o de 2021 [foram 14.120 doações no período], mas temos que considerar algumas situações, como a influência do fluxo imigratório, o aumento de acidentes e as frequentes cirurgias eletivas”, afirmou.

Como forma de prevenir a baixa no estoque, a unidade tem reforçado parcerias com empresas e entidades da sociedade civil. A ideia é sensibilizar a população sobre a importância da doação de sangue.

“É um alerta que desenvolvemos para sensibilizar a sociedade civil para que não estejamos em uma situação de perigo, para não provocar um caos no estado”, explicou Bessa.

O office-boy Carmelito Lélio Rodrigues, 39, se tornou doador após a enteada precisar de bolsa de sangue em um momento onde reforçar o estoque da unidade é de grande necessidade.

“Eu sou doador há muito tempo, e de ano em ano faço uma doação. Esse ano vou doar certinho [dentro do período de quatro meses]. É sempre bom os doadores aparecerem no Hemoraima, pois tem muita gente que precisa e infelizmente também tem muitos acidentes acontecendo”, comentou.

Hellen aproveitou para reforçar o convite para que doadores voluntários e parceiros se façam ainda mais presentes em 2023.

“Se o homem pode doar até quatro vezes no ano e a mulher três vezes, porque não distribuir esse período durante esse ciclo de 12 meses? Então, a gente visualiza a possibilidade de sensibilizar todos esses nossos parceiros para estarmos dentro dessa causa, mantendo um equilíbrio satisfatório do ano de 2023”, ressaltou.

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Suyanne Sá

FOTOGRAFIA: Ascom/Sesau